sexta-feira, 1 de julho de 2016

Construção de Bonecos de Fantoches





Esta foi uma outra boa ideia que encontrei navegando pela internet e decidi compartilhar com vocês...
Espero que gostem.

Beijos,
Julia Miyuki Senday

terça-feira, 14 de junho de 2016

Origami do Pikachu

                                         



Espero que tenham gostado!!!!

Beijos, Julia Miyuki Senday


terça-feira, 7 de junho de 2016

Lembrancinhas para Festa Junina e Dia dos Pais





Estas lembrancinhas podem ser feitas para o dia dos pais, mas se você desejar pode recriá-las de uma outra forma. Em vez de camisa de cores únicas, pode optar por estampas coloridas, ou xadrez, assim terá uma lembrancinha para a Festa Junina. 




Vai agora o passo a passo desta camisa, muito fácil de se fazer.



















quinta-feira, 26 de maio de 2016

O Diário de Branca de Neve





Certo dia, bem de manhã, estava brincando no jardim de casa, quando, de repente, vi uma pequena luz brilhante entre as rosas. Chamei minha prima Helena para ver comigo o que seria aquilo. Alice, minha outra prima, estava muito curiosa, porém preferiu correr de medo. Já Sophie, também prima, pulou por cima das flores.... Foi terrível! Mas, graças a Deus ela não se machucou.
Olhamos de mais perto, já que todas as rosas estavam despedaçadas, e o brilho estava ainda mais intenso.
Helena, falando bem baixinho, como de costume, disse para eu cavar com cuidado para ver o que tinha lá embaixo.
Foi o que fiz, e para surpresa nossa, encontramos uma caixa de madeira. Parecia muito antiga. Ficamos curiosas, mas com um pouco de medo também. Olhamos para os lados e notamos que nossos pais estavam ocupados a conversar. Assim, colocamos a caixa dentro de uma sacola que estava na mão de Sophie e, escondidas, resolvemos abrir e descobrir o que continha dentro dela.
Fomos, secretamente e silenciosamente ao meu quarto, onde abrimos a tal caixa secreta e, vocês nem imaginam o que encontramos. Pois bem, sentem-se, pois o que vou contar é muito emocionante.
Havia um diário, enrolado num pano brilhante, bem vermelho, com as siglas B.N. Meus olhos não acreditaram no que via. Um diário? Mas, como assim, um diário?
Resolvi abri-lo, mas o medo nos fez ficar mudas.... Como sou a mais velha, comecei a ler.... E, aos poucos me arrepiava. Sophie ficou de boca aberta, Helena tremia os lábios, Alice respirava fundo e, minha outra prima Eliza, que é muito pequena para entender as coisas, só ria. O diário começava assim:



Meu nome é Isabella, mas eu não sei o porquê de me chamarem de Branca.... Deve ser porque eu sou realmente muito branca, tão branca como a neve.... Assim, o apelido, Branca de Neve. E, dessa forma, fiquei mais conhecida pelo apelido do que pelo meu verdadeiro nome; que, aliás, também era algo secreto, até agora.
Essa história é sobre minha vida, o qual reuni neste secreto diário.... Poderia ter escrito dia após dia, mas o tempo me foi um pouco curto.... Então, decidi começar a escrever hoje o que aconteceu a cerca de um ano atrás, mas, antes disso, deixa eu falar um pouco sobre como tudo começou. Descreverei detalhes que nunca, jamais, disse a ninguém.... Somente agora tive coragem de reunir essas verdades nesse diário.... Pensar nisso me faz suspirar...
 Pois bem, eu nasci tão branca, tão linda.... Bem, onde eu estava.... Ah, sim, claro, começo a me esquecer de quem era e do que vivi.... Pois bem, aquela pequena criaturinha, tão lindinha e indefesa.... Cresci, cada dia mais linda....
Quando eu tinha entre nove e dez anos minha mãe começou a adoecer; ou seja, cada dia mais fraca, cada dia mais doente.
Meu pai, muito aflito, chamou vários médicos do Reino do Faz de Conta – lugar onde moro... ou, morava – porém, todos diziam a mesma coisa: “Sinto muito, soberano, nada podemos fazer”.
Como assim? Não eram médicos? Não estudaram para isso, lá no Colégio Encantado?
Pois bem, minha mãe estava morrendo, mas, antes dela falecer me contou o que estava acontecendo de verdade. Isso ninguém nunca soube, até agora, pois ela mesma me prometeu não falar nada, nunca, principalmente para meu pai.
A verdade, era que ela estava sendo envenenada por uma das criadas, que era uma poderosa feiticeira e que queria tomar seu lugar no Reino, porém, ela descobriu seus maléficos planos e, por isso, começou a envenenar minha mãe aos poucos, com essa magia que os médicos mágicos jamais descobririam.
Eu ainda era muito pequena para entender, porém, minha mãe me alertou a nunca contrariar essa mulher, pois era muito poderosa e sua magia vinha de uma dimensão onde os poderes são mais fortes do que lá.
Falou que ela havia feito um trato que não tocaria em mim, mas, como resposta tinha que dar sua vida em troca da minha.
Enfim, minha mãe morreu para me proteger, mas, infelizmente, isso foi por pouco tempo. Assim que fiz quinze anos, não aguentando mais ser maltratada pela maldosa mulher, que agora era rainha, fugi.... E, assim, resolvi morar num quarto do Colégio Encantado.
Vocês devem estar perguntando onde está meu pai que não fez nada a respeito. Pois bem, ele estava tão apaixonado, tão cego de amor, que nem notou.... Achou que eu estava em viagem escolar, sei lá.
Foi a melhor coisa que fiz. Lá no Colégio conheci muita gente, princesas como eu, filhas de fadas, príncipes.... Estava indo tudo muito bem, estudando, fazendo novas amizades, até que a rainha má veio até o Colégio, contando que meu pai estava mal e queria me ver.... Mentira, era tudo para me fazer sofrer, uma vez que não podia me matar, por causa do pacto que havia feito com minha mãe.
Voltei para casa correndo, desesperada, mas era mais uma falsa história daquela bruxa malvada, que me prendeu na masmorra do palácio. Para minha sorte, encontrei em um dos bolsos de meu vestido um pequeno ratinho, o mesmo amiguinho de minha amiga Cinderela – eu prefiro chama-la de Cindy, que é seu apelido. E, também, no outro bolso, a poção mágica da Alice, o qual tinha o poder de tornar as pessoas pequenas. Assim eu fiz, tomei a poção, montei no ratinho Bruno e, rapidamente, fugimos pela janela.
Ao chegarmos no colégio, Alice me deu outra poção, agora o de crescimento, e voltei ao tamanho normal. Contei tudo o que a madrasta havia me feito e todos os meus amigos se espantaram. Decidimos, então, criar um plano contra ela. Foram messes de procura, até encontrarmos um livro muito antigo falando de um reino paralelo; ou seja, outra dimensão. Esse reino se chamava Camelot, e foi lá onde encontraríamos o mago dos magos, Merlin.
Para isso, contei com a ajude de meus amigos, Aurora, Cindy, Ariel, Filipe e Éric, que foram comigo até o portal secreto, conforme estava descrito no livro. E, assim, com as palavras mágicas abrimos este maravilhoso portal entre mundos.
Ao chegarmos no reino, o Mago Merlin já estava esperando por nós, pois sabia que estaríamos indo ao seu encontro. Contou-me que a magia daquela bruxa era muito poderosa e que nem ele podia quebra-la, só havia uma escolha para mim.
Ouvi tudo com lágrimas nos olhos, mas acatei seus conselhos. Agradeci a estadia no palácio do rei Arthur e logo voltamos para nosso reino.
Abatida, fiquei algum tempo calada e outros dias sem comer. Não poderia ter outro jeito? Outra saída? Perderia tanto com aquela decisão.... Será que valeria a pena?
Alice, que não pode ir conosco nessa viagem, estava muito curiosa para saber o que havia acontecido e o porquê de eu estar assim tão triste e deprimida. Não conseguia nem falar.... Foi que Aurora contou-lhe tudo. Alice, ao ouvir a única chance que eu tinha para me livrar da bruxa má, chorou e me abraçou.
Após três dias pensando a respeito, resolvi logo fazer conforme o mago havia dito. Uma das minhas maiores tristezas era não poder me despedir de meu pai.... Foi até que Alice teve a ideia de me encolher novamente, montar em Bruno e ir até o palácio e, depois, voltar. Foi o que fiz.
Encontrei meu pai sozinho, pois a bruxa malvada havia decidido fazer uma viagem longa. Abraçamo-nos e ficamos horas a conversar. Não disse nada a respeito de Merlin, nem das maldades da bruxa.... Resolvi me despedir como se fossemos nos ver em breve.
Voltei para o Colégio arrasada, despedi-me de meus amigos e fui até a outra passagem secreta, o qual me levaria a uma dimensão que se chamava Terra, um lugar onde não haveria magia e, ali estaria segura da madrasta.
Quando já estava pronta para partir, Filipe resolveu abandonar tudo e ir comigo, a fim de me defender. E assim foi.... Merlin havia dito que esqueceríamos tudo quanto havíamos vivido no Reino do Faz de Conta, assim que tomássemos aquela poção mágica que nos deu.
Por isso, estou a escrever minha história nesse diário mágico, dado a mim por minha amiga Ariel. Sei que após tomarmos essa poção esquecerei tudo, mas, aquele que achar esse diário saberá minha história, onde tive amigos fiéis, pais amorosos e, por algum tempo, fui feliz.
Peço, porém, a quem encontrar esse diário, que o guarde com amor, pois temo que venha cair em mãos erradas.
Saudade de vocês.... Aurora, Alice e Cindy... As guardarei em meu coração.


Fiquei chocada, assim como creio que vocês também estão. Meu achado foi muito precioso, porém, resolvi guardar esse segredo comigo. Avisei às minhas primas para não contarem para ninguém.
Porém, minha mãe acabou encontrando. Fiquei surpresa, pois ela não me perguntou a quem pertencia, muito menos se era de alguém. A única coisa que perguntou foi onde eu havia achado. Falei que no meio das roseiras. Ela ficou muda e pálida. Colocou a mão no coração e começou a tremer.
Perguntei o que havia acontecido para ela estar assim, tão nervosa. Ela se levantou, colocou o diário junto a seu corpo, e me pediu para não falar sobre aquilo com ninguém.
Por fim, levou consigo o diário, a caixa e tudo mais.... Fiquei sem entender o porquê daquela atitude e por que aquela caixa estava em meu quintal. Será? Será que minha mãe sabia, ou havia conhecido a dona daquela caixa?
Corri ao seu encontro apavorada, encontrei-a enterrando ainda mais fundo a caixa. Por fim, ela me olhou e disse:
– Julia, você já está com dez anos, por isso vou lhe contar uma história sobre essa caixa.... Mas, você tem que prometer que guardará segredo!
Fiz que sim com a cabeça. Minha mãe prosseguiu seu relato dizendo:
– Olha, filha, você leu a história, não foi? Então, creio que seja verdadeira, pois minha avó me contou que quando tinha dez anos foi visitada por uma fadinha, a qual contara sobre o diário e onde ele estava. Pediu para minha avó esconder bem fundo, para que a bruxa má jamais encontrasse, senão ela viria atrás de suas descendentes. Por isso temos que esconder, pois o brilho poderá atrair a malvada que quase matou minha bisavó Isabella.
Fiquei branca, mais branca do que a Branca de Neve....
– Mas, por que está em nosso quintal?


Minha mãe explicou que ela era a filha primogênita, assim como a mãe dela também fora, e isso a faria guardiã do diário. Entendi e prometi guardar este segredo de família.